Sello Oração E Caridade

Respeitável Loja de São João

Oração e Caridade nº 22

BLOG

O ressurgimento dos Élus Coën e sua filiação - Robert Amadou

Robert Amadou

O Homen Interior é de Naturaleza Espiritual e Eterna

Os sentidos não constituem a pátria essencial do homem. O homem interior é de natureza espiritual e eterno…

Carta de Jean-Baptiste Willermoz sobre a Grande Profissão

Carta de Jean-Baptiste Willermoz sobre a Grande Profissão. Texto com assinatura 173, intitulado: Artigo secreto anexo a minha carta de 1º de setembro de 1807, publicado em castelhano no “Documentos Martinistas VI, Ed. Manakel, Madri, 2021.

Controvérsia: Dogma das Igrejas e doutrina Martinez de Pasqually

Controvérsia: outro caminho é possível, o de admitir a diferença doutrinária, reconhecendo-a honestamente…

Festa de São Miguel Arcanjo 2022

A Festa de São Miguel Arcanjo 2022 da GPRDH, celebrou-se no dia 1 de outubro com numerosos e frutíferos trabalhos…

Substitução de Tubalcaim por Phaleg

La substitução de Tubalcaim por Phaleg tende a estabelecer uma diferença essencial na busca da verdade maçônica…

INVOCAÇÃO DE ADÃO PARA SUA RECONCILIAÇÃO

Martines de Pasqually revela-nos, numa das mais belas e comoventes passagens do Tratado, a magnífica oração que Adão pronunciou ao Eterno, curvando o rosto ao solo, para obter a sua reconciliação, assim como a da sua posteridade…

80º ANIVERSÁRIO DO “DESPERTAR” DO REGIME ESCOCÊS RETIFICADO NA FRANÇA (1935 – 2015)

No ano de 2015 é celebrado um importante aniversário, o do “despertar” do Regime Escocês Retificado na França…

Doutrina da Matéria no RER

Doutrina da Matéria no RER: el hombre está llamado a resucitar espiritualmente para poder recuperar su estado glorioso…

O MISTÉRIO INEFÁVEL DA ENCARNAÇÃO DIVINA – por Jean-Baptiste Willermoz

No exato momento de seu consentimento, o Grande Mistério começa a se realizar; pois naquele mesmo momento a Palavra de Deus, que é o próprio Deus, Segunda Pessoa e Potência da Santíssima Trindade,…

Saint-Martin no Regime Rectificado

Saint-Martin no Regime Rectificado: Chega a Lyon no dia 4 de julho, ao meio-dia, sendo iniciado no mesmo dia às 17 horas nos diferentes graus…

O RESSURGIMENTO DOS ÉLUS COËN
E SUA FILIAÇÃO

Por Robert Amadou

“Martines nomeou como seu sucessor Armand-Robert Caignet de Lester, ou Lestère (1774-1778), depois dele, Sebastian de Las Casas (1778-1781) foi interrogado por Willermoz e seus amigos, bem como por Jean-Jacques Du Roy d’Hauterive. Ele atuou como um Grande Soberano sem possuir o título.

Adormecida em 1807, posteriormente, escreve J.-B. Willermoz, a Ordem perdeu todos os seus Réaux-Croix em 1822. Isso foi dito apressadamente. No entanto, o T. P. M. Destigny, que morreu em 1868 ou 1869, conservava os arquivos Coëns desde 1809; não foi Grande Soberano da Ordem, nem estava encarregado de sua manutenção sob qualquer forma, exceto na lenda. No século XX, as alegadas afiliações rituais são falaciosas; muitas vezes mostram grande confusão de fato entre o Regime Escocês Retificado e os Élus Coën. A Ordem dos Élus Coën foi despertada pela graça de uma comprovada filiação espiritual, em 1942-1943; Georges Lagrèze (1943-1946), e depois Robert Ambelain (1946-1967), foram Grão-Mestres; Ivan Mosca, foi Grande Soberano a partir de 1967. Os Irmãos operam, sozinhos ou em grupo, com autonomia, todos provindos de uma mesma ressurgência.”

(R. Amadou, Encyclopédie de la F. M., edition 2000)

Em relação a este “ressurgimento” do qual descendem todas as “Ordens Coëns” atuais, na melhor das hipóteses, nos remeteremos ao folheto publicada pelo CIREM que Robert Amadou assinou com o seu nomen iniciático: Ignifer, que lança a luz mais completa sobre os dados do seu problema, e cuja conclusão é a seguinte, depois de ter demonstrado que o sonho de continuidade entre a Ordem dos Élus Coën e a Grande Profissão, sustentado por Georges Lagrèze (1882-1946), que alguns pretenderam estabelecer, é uma fantasia piedosa, sabendo que:

“Emprestando contra todas as evidências a qualidade de Grande Professo a Lagrèze, este não podia transmitir sua eventual ‘iniciação de Grande Professo’, porque alguém não se torna um Grande Professo em virtude de uma iniciação individual, mas pela admissão a um colégio de Grandes Professos decidido pela unanimidade de seus membros. A filiação ritual dos Élus Coën não pode ser confundida com a filiação imaginária dos Grandes Professos, nem com qualquer outra filiação iniciática de natureza ritualística. Há ausência de qualquer filiação ritual, referente aos Élus Coën, na época contemporânea, para além deste ressurgimento.” [O único elemento tangível sobre o qual este “ressurgimento” pode ser validamente apoiado baseia-se, portanto, unicamente num elemento puro de “desejo”, fora de qualquer ligação histórica]… “A validade do ressurgimento Coën que podemos, face à cronologia anterior, datar em 1942/1943, foi verificada sem ambiguidade, e mesmo antes da carta, em 1942, pela graça de La Chose, que não desmentiu-se mais tarde. A filiação ritual saída deste ressurgimento obtém dele a sua própria validade.”

(R. Amadou, La Résurgence, notice historique CIREM, Carnet d’un élu coën, 3, 2001, p. 6)