Sello Oração E Caridade

Respeitável Loja de São João

Oração e Caridade nº 22

BLOG

Martines de Pascually - Ordem Elus Cohen

Tradução:
BAI Aurélio Prosdócimo

O Homen Interior é de Naturaleza Espiritual e Eterna

Os sentidos não constituem a pátria essencial do homem. O homem interior é de natureza espiritual e eterno…

O Trabalho do Maçom Rectificado

O Trabalho do Maçom Rectificado: O trabalho que realizamos na Loja é sagrado, pois é dedicado a Deus e realizado para Sua maior Glória…

Os distintos ramos da Tradição

Os distintos ramos da Tradição: Assim, os dois cultos, o de Caim e o de Abel, darão origem, desde a origem da História dos homens, a duas …

O PERFIL DO VERDADEIRO MAÇOM – Por Ferdinand de Brunswick

De uma verdadeira crença em Deus sem hipocrisia. De um amor verdadeiro e puro por seu Divino Redentor, única fonte de todo bem. De uma retidão do…

Sobre a Tradição Cristã

Sobre a Tradição Cristã: “Em verdade, em verdade vos digo, que quem não nasce do alto não pode ver o reino de Deus…”

O QUE É O R.E.R.?

O Regime Escocês Retificado é um Sistema Maçônico e Cavaleiresco, criado na França durante o último quarto do séc. XVIII. O Rito Escocês Retificado preserva em seus rituais integramente toda sua pureza de acordo com…

A DISCIPLINA INICIÁTICA DO ABANDONO MÍSTICO DA ALMA À DIVINDADE

É sempre pela mesma Lei que se opera a santificação da universalidade dos seres emanados. Só será pelo sacrifício voluntário do livre arbítrio, pelo abandono absoluto da vontade pópria e pela aceitação desse abandono por parte de Deus, que poderá efetuar-se a sua união indissolúvel com aquele que opera a sua santificação.

Martines de Pascually – Por Jean Marc Vivenza

Martines de Pascually: de su conocimiento radica toda la doctrina Martinista, e inspira directamente la edificación doctrinal del RER…

REGULARIDADE DO REGIME ESCOCÊS RETIFICADO

O sistema resultante da Reforma de Lyon supõe uma iniciativa de “retificação” da Maçonaria em 1778, transcendendo, segundo seus próprios critérios…

O MISTÉRIO INEFÁVEL DA ENCARNAÇÃO DIVINA – por Jean-Baptiste Willermoz

No exato momento de seu consentimento, o Grande Mistério começa a se realizar; pois naquele mesmo momento a Palavra de Deus, que é o próprio Deus, Segunda Pessoa e Potência da Santíssima Trindade,…

MARTINES DE PASQUALLY E JEAN-BAPTISTE WILLERMOZ

Jean-Marc Vivenza [1]

Tradução:
BAI Aurélio Prosdócimo

Martines de Pascually - Ordem Elus Cohen

“O Regime Escocês Retificado guarda um segredo especial, o segredo de Jean-Baptiste Willermoz: seu objetivo é alcançar, à sua maneira, o propósito estabelecido para a Ordem dos Elus Coën, que é a Reintegração do homem em sua propriedade original, virtude e potência espiritual divina.”

A história da relação estabelecida entre Jean-Baptiste Willermoz (1730-1824) e Martines de Pasqually (+1774) começa em abril de 1767, quando ambos se conheceram durante a admissão na Ordem dos Elus Coën do futuro fundador do “Regime Escocês Retificado”. Isso ocorreu em um momento em que a “Ordem dos Cavaleiros Maçons Elus Coën do Universo”, da qual Martines era o Grande Soberano, havia acabado de estabelecer sua mais alta instância, o “Tribunal Soberano”, durante o equinócio da primavera no Oriente de Versalhes.

I
Papel Eminente de Martines de Pasqually
no Desenvolvimento Iniciático de Jean-Baptiste Willermoz

A partir dessa data, Jean-Baptiste Willermoz passou a explorar, junto a Martines de Pasqually, até setembro de 1774, quando este último partiu deste mundo em Porto Príncipe, um programa ambicioso destinado à “Reintegração dos Seres em suas Propriedades Originais, Virtudes e Potência Espiritual Divina”. Além disso, encontrou uma doutrina espiritual completamente original, percorrendo todos os graus iniciáticos até o mais alto, o de Réaux-Croix. É evidente que Willermoz encontrou na Ordem dos Cavaleiros Maçons Elus Cöen do Universo o que sempre havia buscado em termos de iniciação e, mais ainda, a confirmação da exatidão de suas esperanças quanto aos mistérios que ainda permeiam a Franco-Maçonaria.

De fato, ao examinarmos o conteúdo da Instrução destinada aos novos membros nos três graus simbólicos de Aprendiz, Companheiro e Mestre da Ordem dos Elus Cöen, deparamo-nos com um conjunto de conhecimentos notáveis. Willermoz não escondeu que os utilizou para elaborar as Instruções para a Classe de Professos do Regime Retificado, e é inegável que o discurso proferido naquela ocasião pelo recipiendário é extraordinariamente valioso, explicando toda a doutrina cosmogônica peculiar dos Cöen.

a) O interesse imediato de Jean-Baptiste Willermoz pela doutrina dos Elus Cöen

O estudo das fontes de Martines ainda não nos permitiu chegar a uma conclusão definitiva, embora sugira uma clara influência das teorias gnósticas e judaico-cristãs no taumaturgo bordelense, não sem vínculos com os ensinamentos da Cabala, embora sua catolicidade esteja claramente estabelecida e atestada, não apenas pelos atos oficiais que marcam sua vida [2] – ter sido batizado, casado, batizado em 1768 seu filho mais velho, Jean-Anselme, na paróquia de Sainte-Croix de Bordéus, e sepultado na Igreja – , mas também, e isso não é nada desprezível, pelas regras estritas que impôs à sua Ordem, relativamente draconianas, pois para ser admitido nos Elus Cöen era obrigatório ser de fé católica [3].

Além disso, sua interpretação da Sagrada Escritura se inscreve tanto na Cabala cristã quanto em uma visão tomada da “teoria dos tipos” característica do jansenismo – teoria desenvolvida em particular pelo abade Jacques Joseph Duguet (1649-1733) e Jacques-Vincent Bidal d’Asfeld (1664-1745), conhecido como o “abade dos Telhados”, baseada em uma interpretação simbólica, alegórica e profética, mais do que literal, do Antigo Testamento – , via nos diversos acontecimentos da história o cumprimento dos planos divinos contidos na Sagrada Escritura, conferindo ao seu ensinamento uma originalidade única:

“A magia-teúrgica particular de Martines pode ser analisada em relação à Cabala. Mas sua teúrgia e sua teosofia não são especificamente cabalísticas e se expressam em um contexto cristão inalienável. No entanto, não se pode descartar uma influência por ressonância da Cabala, ou mesmo a influência direta de certas obras. Na Cabala, como em Martines, predominam os temas teosóficos do declínio e ascensão, da queda, dispersão e restauração, da reintegração [4].

b) Jean-Baptiste Willermoz, fervoroso seguidor dos Elus Cöen

Quaisquer que sejam as fontes de Martines, seu apego e interesse pela doutrina e práticas de Martines de Pasqually se traduziram em cinco anos de uma relação às vezes delicada, uma correspondência assídua e uma preocupação constante em aprofundar os fundamentos teóricos e operacionais propostos pelos Elus Cöen.

Willermoz inaugurou um “Templo” em Lyon, ou seja, uma Loja que trabalhava com os rituais de Cöen, recebendo os Irmãos mais dotados dos graus superiores da Ordem, incluindo sua irmã mais velha em 1773, Claudine-Thérèse (1729-1810), conhecida como Madame Povensal.

A teurgia cerimonial transmitida por Pasqually, consistente na invocação de nomes angelicais, tornou-se assim a atividade secreta da La Bienfaisance, mas apenas por um tempo, pois a influência de Louis-Claude de Saint-Martin (1743-1803) certamente teria um efeito duradouro na evolução espiritual de Jean-Baptiste Willermoz – isso pode explicar por que a Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa não considerou adequado manter a prática teúrgica -, não por qualquer fraqueza em seu caminho iniciático em comparação com os Elus Cöen, mas sim por uma importante verdade sobre a forma interna de se comunicar com a “Causa ativa e inteligente [5].

 II
A relação entre Martines de Pasqually e Jean-Baptiste Willermoz
na origem do Regime Escocês Retificado

É verdade que a morte de Martines em setembro de 1774 em Porto Príncipe deixou seus seguidores desconsolados e sua Ordem em uma situação delicada, mas muito antes dessa data, problemas práticos, teóricos e doutrinais já haviam surgido, contendo em si as razões para o gradual afastamento de Willermoz da Ordem dos Elus Cöen, até que uma ruptura ocorresse, que muitos indícios indicavam ser quase inevitável, até necessária, sem perder de vista, ao contrário, sua adesão plena aos ensinamentos que havia recebido.

São essas mesmas razões, que levaram ao desaparecimento dos Elus Cöen, que precisamos examinar para entender por que a Ordem fundada por Martines – que sem dúvida não era viável em sua forma e levantava importantes questionamentos sobre seus métodos – foi apagada da história, juntamente com a especificidade e singularidade que acompanharam seu nascimento, no Convento das Gálias em 1778, e depois no convento de Wilhelmsbad em 1782, do Regime Escocês Retificado, que a partir de então, e para o resto dos tempos, tornou-se o depositário da “doutrina da reintegração”, da qual Martines de Pasqually havia sido o surpreendente e providencial revelador alguns anos antes, como bem lembrou Robert Amadou (1924-2006):

“O objetivo de Willermoz era, portanto, preservar a doutrina da qual Martines de Pasqually havia sido apenas, conforme o que este lhe ensinara, um dos portadores; manter, enquanto a Ordem dos Elus Cöen declinava, a verdadeira maçonaria segundo o modelo que Martines de Pasqually lhe revelara como arquétipo e que garantia a conformidade doutrinal com a doutrina da Reintegração [6].

a) A preservação quase completa por parte de Willermoz da doutrina de Martines:

No entanto, e insistimos neste ponto, se a doutrina de Martines sofreu uma correção no Regime Retificado num sentido fundamentalmente trinitário, eliminando os vestígios do modalismo e enfatizando, como era normal para uma iniciação cristã, a dupla natureza do Divino Reparador, este ato não alterou a perspectiva legada pela Ordem Cöen, mas, ao contrário, e até certo ponto, a “purificou”, aperfeiçoando-a, demonstrando de maneira absolutamente indiscutível que a Ordem Retificada, que contribuiu para salvar e preservar os principais elementos da doutrina da Reintegração – e este aspecto das coisas, para não dizer da “Coisa”, merece uma reflexão -, é a detentora da transmissão autêntica, direta, eficaz e verdadeira entre Martines e nós, através de Jean-Baptiste Willermoz [7], incluindo a prática do “culto primitivo”, cujo rastro pode ser visto na concepção quaternária da iniciação Retificada e na elevação do altar dos perfumes no quarto grau de Mestre Escocês de São André.

b) Originalidade doutrinária do Sistema Retificado

Por isso, sem a doutrina recebida de Martines de Pasqually, descoberta no momento de sua admissão na Ordem dos Elus Cöen, e que Jean-Baptiste Willermoz posteriormente introduziu em seu sistema maçônico e cavaleiresco no Convento das Gálias em 1778, é difícil explicar por que o Regime Escocês Retificado professa, implicitamente nas Instruções destinadas a todos os graus, e explicitamente nas Instruções secretas destinadas à sua classe chamada “não ostensiva” – a menos, é claro, que por ignorância, cegueira voluntária, má-fé, opiniões subjetivas partidárias, negação da realidade e vários motivos menos confessados e não reconhecidos que não cabe discutir aqui, alguém se recuse a aceitar a evidência [8] -, tese firme e constantemente condenada pela Igreja e seus concílios desde os primeiros séculos, relativas à emanação e à natureza imaterial de Adão antes da queda, emanação condicionada pela revolta dos espíritos perversos para “incomodá-los”, criação do mundo realizada não por efeito de um dom gratuito e sob a ação da pura caridade divina, mas sob a coação “necessária” para responder à revolta dos espíritos angelicais rebeldes, a criação material, além disso, realizada não diretamente por Deus, mas por espíritos intermediários para servir como “prisão” para os demônios, o que reforça ainda mais a heterodoxia da tese, o aprisionamento dos anjos e do homem em um corpo de matéria “impura” como consequência de seu pecado, a vocação para a dissolução e aniquilação dos elementos da Criação material no final dos tempos, a ressurreição incorpórea de Cristo, o destino igualmente incorpóreo das criaturas emanadas na eternidade.

III
Desaparecimento da Ordem dos Elus Cohen e recusa de Willermoz
em ordenar Réaux-Croix para a sobrevivência dos Cohen

Willermoz, que não tinha ilusões sobre a ideia de um possível “despertar” da Ordem dos Elus Cöen após seu desaparecimento, de fato pôs fim à possibilidade de que outro Réaux-Croix fosse ordenado após ele, ao ignorar em 1822 as urgentes petições de Jean de Turkheim, decepcionado por muitas razões, tanto pessoais – sua frustrada relação com a “Coisa” e sua delicada relação com Martines não eram, sem dúvida, estranhas a isso -, quanto estruturais, sabendo que a Ordem dos Elus Cöen desaparecera neste século, indo parar seus arquivos nas mãos dos piores adversários dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa, ou seja, os Filaletes [9], para os quais o Regime Retificado não estava em seu espírito (exceto por um breve período, de 1778 a 1785, quando os Grandes Professos do Colégio Metropolitano foram admitidos no Templo Cöen de Lyon), antecâmara da teúrgia, mas “conservatório” da doutrina da Reintegração, que é muito distinta e diferente [10].

IV
A Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa
foi concebida como um contexto protetor para a
doutrina da “Reintegração”

É compreensível por que, em Lyon, no ano de 1778, entre 25 de novembro e 10 de dezembro, Willermoz, percebendo que a Ordem de Martines teria grandes dificuldades para sobreviver à morte de seu Grão-Mestre em Porto Príncipe em setembro de 1774, deu origem à “Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa” no Convento das Gálias, “retificando” as estruturas e a perspectiva espiritual da Estrita Observância Templária, a fim de transmitir um depósito doutrinário que ele considerava de grande valor, inteligentemente difundindo, grau após grau, os diversos elementos simbólicos específicos (números, cores, formas, batidas, sinais, etc.) provenientes dos rituais Cöen. Dessa forma, ele incorporou o ensinamento de Martines de Pasqually dentro do sistema maçônico e cavaleiresco recém-criado, conseguindo estabelecer um contexto protetor para a doutrina da “Reintegração”, que a Ordem dos Elus Cöen já não era capaz de representar e que Willermoz não pretendia continuar.

V
O Regime Retificado tornou-se o único detentor da transmissão
direta de Martines de Pasqually

Com o passar do tempo, o Regime Retificado tornou-se o único detentor da transmissão direta, eficaz e verdadeira de Martines de Pasqually, através de Jean-Baptiste Willermoz, incluindo, de forma bastante original e quase “sutil”, a prática do “culto primitivo” através da concepção quaternária da via iniciática própria da Reforma de Lyon, praticada em quatro graus simbólicos visíveis desde as Lojas Azuis (Aprendiz, Companheiro, Mestre e Mestre Escocês de São André) [11], e não três como na concepção andersoniana clássica (Aprendiz, Companheiro e Mestre) [12], aos quais se acrescenta o ato eminentemente importante e singularmente significativo de introduzir a cena de “elevar o altar dos perfumes” no ritual de Mestre Escocês de São André [13].

 VI
A conexão com a misteriosa “Alta e Santa Ordem

Neste sentido, Alice Joly identificou corretamente o que aconteceu a Willermoz após sua descoberta dos Cöen e a contribuição essencial que retirou deles em sua visão da própria natureza da “via” iniciática, bem como a convicção que lhe foi imposta com vigor, a ponto de constituir o Regime Retificado como testemunho de uma “fonte” denominada nos rituais como “Alta e Santa Ordem” [14], introduzindo assim referências diretas ao “culto primitivo” utilizando escritos antigos:

“Jean-Baptiste Willermoz se convence de que o segredo do verdadeiro culto foi transmitido de geração em geração por alguns iniciados. Ele tenta estabelecer comparações significativas entre os sacrifícios cerimoniais do antigo culto e o cerimonial instituído por Cristo [15]. Naquela época, ele fazia várias referências a um trecho de São Basílio de Cesareia e a uma carta escrita pelo Papa Inocêncio I ao bispo Decêncio [16], pois esses trechos lhe pareciam provar que o cristianismo primitivo era um mistério conhecido apenas por alguns fiéis [17]. Dessa forma, imaginava que estava apenas a um passo de conhecer o mistério [18].”

E de fato, Willermoz, baseando-se em São Basílio de Cesareia (+ 379) e seu trabalho “De Spiritu”, e na carta do Papa Inocêncio I a Decêncio sobre o “dom do Espírito”, textos que recomendou aos Cavaleiros Grandes Professos, estava convencido de algo peculiar – o que nos mostra de que forma, por meio de sua estrutura e organização que culmina na revelação de um ensinamento doutrinário, o Regime Retificado é absolutamente autossuficiente e completo, não necessitando de qualquer complemento externo. A saber, que o segredo do verdadeiro culto, transmitido de idade em idade, se revela na prática na identidade entre “verdade” e “revelação” do Espírito. Para os iniciados nos mistérios da Ordem, o conhecimento divino não é senão uma relação íntima e interior com Deus, uma relação em forma de “revelação” que é, ao mesmo tempo e no mesmo ato, a descoberta da “presença” íntima do Ser eterno e infinito, que é o que constitui a “Coisa”, e a prática de celebrar o verdadeiro culto “em espírito e em verdade” (João, 4:24), porque da experiência do Espírito, que o homem é capaz de viver e sentir em sua alma, à medida que surge no caminho de aprofundamento iluminado pela fé, se chega, pela graça sobrenatural, ao autêntico “conhecimento” que dá entrada ao “Santuário” [19]. Este é o segredo iniciático do Regime Escocês Retificado [20].

 VII
A Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa
tem um segredo: “seu objetivo é alcançar, à sua maneira,
o fim estabelecido para a Ordem dos Elus Cöen

Sob o que ele chamava de “Alta e Santa Ordem”, nome que apareceu pela primeira vez nos rituais da Reforma de Lyon e cuja origem remonta diretamente ao ensinamento de Martines, Jean-Baptiste Willermoz estava na verdade pensando nos “Eleitos do Senhor”, ou seja, na santa e piedosa “sociedade religiosa” formada pelos justos, pelos Patriarcas e pelos Profetas, que, desde o arrependimento de nosso primeiro progenitor na carne, Adão, e desde o amado filho Abel em diante, por meio de Set, Elias, Enoch [21], Melquisedeque, Abraão, Moisés, Davi, Salomão e Zorobabel, preservaram, mantiveram e transmitiram o “culto verdadeiro” [22], uma “sociedade religiosa” – diferenciada e rigorosamente separada dos descendentes reprovados e prevaricadores de Caim, Tubalcaim e Ninrode -, à qual pertence atualmente a Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa, pela providencial mediação no século XVIII da Ordem dos Cavaleiros Maçons Elus Cöen do Universo [23].

a) O Regime Retificado é a “Ordem substituída” dos Elus Cohen

A natureza do sistema fundado por Willermoz e a “ciência divina” que ele contém tornam-se evidentes sobre o valor deste Regime, mas também estabelecem uma grande responsabilidade e, acima de tudo, uma missão que os membros desta Ordem recém-fundada em Lyon em 1778 devem cumprir. Os termos indiretos enfatizavam os deveres daqueles que humildemente aceitavam ser guiados pelas verdades essenciais da fonte primitiva da “Ordem substituída” – uma denominação singularmente precisa atribuída a Robert Amadou [24]. Na prática, essa “substituição” dos Elus Cöen foi lógica, considerando que a Reforma de Lyon “dispensava a parte científica da Maçonaria primitiva e da ciência religiosa do homem”. Embora o “culto primitivo” de essência teúrgica nunca tenha sido ensinado aos membros, pois Willermoz reservou o conhecimento teórico apenas aos Cavaleiros Professos e Grandes Professos, o Regime Retificado “ocupou efetivamente o lugar” dos Elus Cöen para cumprir uma missão precisa e facilmente identificável, que é ser o preservador, o guardião e o continuador daquilo que é chamado, como os membros aprendem quando alcançam sua segunda classe cavaleiresca, a “Alta e Santa Ordem”.

b) A Ordem Primitiva e Fundamental à qual o Regime Retificado pertence confere-lhe um caráter “não apócrifo”

Assim instruídos, se considerarmos que a Ordem Primitiva e Fundamental é a fonte da verdadeira instituição maçônica, ou seja, “não apócrifa” [25], fica perfeitamente claro o verdadeiro sentido desta significativa afirmação: “A Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa tem um segredo, o segredo de Jean-Baptiste Willermoz: seu objetivo é alcançar, à sua maneira, o fim estabelecido para a Ordem dos Elus Cöen” [26], ou seja, a “Reintegração do homem em sua primeira propriedade, virtude e potência espiritual divina”; a Reintegração esperada está no espírito deste Regime fundado por Willermoz, cujo objetivo é a reconstrução espiritual do homem, levando-o da imagem à semelhança e das trevas deste mundo à “Luz” do Ser Eterno e Infinito, que é a bondade, a justiça e a verdade em si mesma.

 Conclusão
o Regime Escocês Retificado é o guardião da “doutrina divina

Assim, Martines legou a Willermoz, sem dúvida, sem imaginar nem por um momento o que seu discípulo lionês realizaria mais tarde como projeto de organização em termos maçônicos e cavaleirescos, de acordo com seu próprio gênio, um depósito substancial de um valor absolutamente inestimável, depósito sem o qual a face do mundo iniciático contemporâneo seria muito distinto e, sobretudo, muito diferente do que é, já que não tem nenhum vínculo real com a transmissão “não apócrifa” dos Elus Cöen. O Regime Escocês Retificado encarna, como quis a Divina Providência, a continuidade ininterrupta desde o século XVIII de um ensinamento doutrinal originário dos primeiros tempos do cristianismo primitivo e vinculado às primeiras idades da história patriarcal, sobre o qual a classe secreta da “Ordem Substituída”, ou em linguagem simples o “unicum necessarium”, tem o dever imperativo de velar com piedade, em silêncio, humildade e retirada do ruído mundano.

Isso explica que haja um certo equívoco ao falar pura e simplesmente da “constituição” da Maçonaria Retificada e da “Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa” em 1778, no sentido de que Jean-Baptiste Willermoz conferiu um título a uma forma de transmissão tradicional que considerava extremamente antiga, até mais antiga que a Ordem do Templo, que era apenas um possuidor muito imperfeito dela em um determinado período da história, e da qual o Regime Retificado apenas conservava a herança formal e organizativa, porque a “transmissão” em questão se refere a uma antiga “Ordem” que se oculta por trás do véu da Maçonaria e permanece oculta para a maioria das pessoas, uma misteriosa “Alta e Santa Ordem”, uma Ordem primitiva e perpétua que, “na falta de poder ser nomeada, só pode ser chamada de Alta e Santa Ordem” [27], base da verdadeira iniciação, que não deve ser confundida de forma alguma com as formas contingentes que assumem, por um tempo limitado, as instituições consagradas ao estudo das “ciências sagradas” e ao aprimoramento do homem.

Como não concluir, sob a forma de uma mensagem simbólica transmitida através dos séculos e além do invisível, com estas últimas palavras que Martines dirigiu a Willermoz – as últimas trocadas entre o Grande Soberano e seu rival de Lyon -, e através de Willermoz a todas as “almas de desejo” sensíveis às sublimes luzes da “doutrina divina” conservada no seio do Regime Escocês Retificado?: “Adeus, Muito Poderoso Mestre, o Eterno vos guarde a vós e a todos os vossos discípulos em sua santa e digna guarda” [28].

Notas:

[1] Blog Jean-Marc Vivenza, 2 de outubro de 2020. (https://jeanmarcvivenza.com/2020/10/02/martines-de-pasqually-et-jean-baptiste-willermoz/?fbclid=IwAR1_R9zmbuWkcLwGFXKlmEqv7_ZEXj7z3TQOGlalhk10tgw7ZpHqrmymu-g).

[2] Antes de embarcar para Santo Domingo, Martines assinou um certificado de catolicidade que declarava o seguinte: “Certifico que o senhor Jacques Pasqually de Latour, escudeiro nascido em Grenoble, de 45 anos, estatura média, cabelo negro, usando peruca, professa a religião católica apostólica romana e deseja embarcar no navio Duc de Duras, sob o comando do capitão Pierre Duguatz, com destino a Santo Domingo”. Bordeaux, 26 de abril de 1772. Assinado: Depasqually de la Tour (Cf. “Certificado de catolicidade”, Almirantado da Guyenne, Registro de passageiros, 6 B 54, f° 64 r°, Arquivos Departamentais da Gironda).

[3] O Juramento, conhecido como o “segundo terço de obrigação”, que os novos membros faziam ao serem recebidos na Ordem dos Cavaleiros Maçons Elus Cöen do Universo, é inequívoco: “Eu, N…, prometo ser fiel à minha santa religião católica, apostólica e romana, assim como ao meu Rei e ao meu país, contra os quais nunca pegarei em armas. Prometo ser fiel aos meus Irmãos, ajudá-los com meu braço, minha bolsa e meu conselho, na medida do possível. Comprometo-me com eles como eles se comprometeram comigo.” (Cf. Cerimônia de recepção do Aprendiz na Ordem dos Elus Cöen, arquivos Thory, Biblioteca Nacional).

[4] R. Amadou, Introdução, em Tratado da Reintegração dos Seres, Coleção Martinista, Difusão Rosacruziana, 1995, pp. 22-25.

[5] Sabemos que Saint-Martin, que desde a partida de Martines em 1772, tornara-se cada vez mais reticente às cerimônias externas que lhe pareciam viciadas de um caráter superficial, lamentava que a maioria dos Cöen apenas se “iniciavam pelas formas”. Um dia, concluiria sem rodeios: “Assim, meus entendimentos estavam um pouco distantes deles”, e não errou ao dizer isso claramente, ofendendo as convicções e o apego de certos Irmãos aos rituais transmitidos pelo taumaturgo bordelense. Por essa razão, o Filósofo Desconhecido procurou comunicar seus “entendimentos” intuitivamente a seus próximos, e descartou o decoro cerimonial que, com o passar dos dias, tornava-se totalmente estranho para ele.

[6] R. Amadou, Martinisme, CIREM, 1997, p. 36. Em outra obra, Robert Amadou afirmou o seguinte a respeito: “Mas este depósito, esta Ordem sagrada da qual brotam braços e ramos, como não anunciá-la sem demora? O Martinismo faz parte do esoterismo judaico-cristão, que por sua vez faz parte do esoterismo universal. No entanto, em sua originalidade formal, em sua unidade radical e na multiplicidade de seus avatares, o Martinismo remonta a Martines de Pasqually. Três grandes luminárias pontuam o caminho do Martinismo: Jakob Böhme, Martines de Pasqually e Louis-Claude de Saint-Martin. Mas Jean-Baptiste Willermoz, o Agente Desconhecido, a Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa com seus mitos templários e o legado dos construtores góticos, os grandes iluministas do século XVIII, como William Law, Divonne, Eckhartshausen, e os seguidores do Pietismo, especialmente durante o primeiro renascimento […] também contribuíram para a formação deste depósito. Ora, a pérola deste depósito, seu capital inicial, é Martines quem o colocou, e é dele que o tomam os maçons escoceses Retificados e os Grandes Professos, os teósofos cristãos e, entre eles, os discípulos de Saint-Martin, muitos dos quais pertencem à Ordem Martinista”. (R. Amadou, Prefácio, em “Papus, Martines de Pasqually”, Robert Dumas Éditeur, 1976, p. XVI).

[7] Contrariamente ao que muitos erroneamente acreditam, a ideia de sucessão legítima não é um conceito “guenoniano”, mas é comum às sociedades de iniciação e à Igreja, embora René Guénon (1886-1951) se refira a ela explicitamente nestes termos: “A iniciação propriamente dita consiste essencialmente na transmissão de uma influência espiritual, transmissão que só pode ser realizada por meio de uma organização regular, de tal forma que não se pode falar de iniciação à margem da adesão a tal organização […]. Compreende-se, portanto, a importância capital que todas as tradições concedem ao que é como a ‘cadeia’ iniciática, ou seja, a uma sucessão que assegure de maneira ininterrupta a transmissão em questão; sem esta sucessão, de fato, a observação das próprias formas rituais seria vã, pois careceriam do elemento vital essencial para sua eficácia. Isto, por outro lado, não é de forma alguma privativo dos ritos iniciáticos, mas se aplica igualmente aos ritos de natureza exotérica, como os ritos religiosos, que também têm sua própria eficácia, mas que também não podem ser realizados validamente por qualquer um. Assim, se um rito religioso requer a ordenação sacerdotal, a pessoa que não recebeu esta ordenação pode observar todas as prescrições e até mesmo trazer a intenção desejada, mas não obterá nenhum resultado, porque não é portadora da influência espiritual que deve operar tomando essas formas rituais como suporte.” (R. Guénon, Apreciações sobre a Iniciação, cap. VIII, “Da transmissão iniciática à patrística”, 1946).

[8] Para compreender os motivos ocultos por trás da clara negação da realidade de Martines de Pasqually em relação às suas teses heterodoxas, consulte: J.-M. Vivenza, História do Regime Escocês Retificado desde as origens até os dias atuais, Hyères, La Pierre Philosophale, 2017, cap. XII, pp. 329-352.

[9] Apesar da extinção da Ordem dos Elus Cöen, mesmo antes da Revolução, e do desaparecimento de todos os Réaux-Croix no início do século XIX, houve duas tentativas recentes no século XX de reviver os Elus Cöen. Muito foi escrito, e ainda está sendo escrito, sobre esses dois episódios que pretendem ser herança de Martines de Pasqually e que mantêm uma certa influência, nem sempre muito feliz, nos círculos iniciáticos, especialmente no ambiente imediato do Regime Escocês Retificado.

      A ironia dessa história de tentativas de “despertar” os Elus Cöen no século XX é que ela se baseia na mesma “confusão” entre “sucessão Cöen e a sucessão da Grande Profissão do Regime Escocês Retificado”. Enquanto Jean Bricaud (1881-1934), ao se tornar Grão-Mestre da Ordem Martinista em 25 de setembro de 1918, após Henri-Charles Détré (1855-1918), conhecido como “Téder”, reivindicava a sucessão dos Elus Cöen com base na Grande Profissão recebida por Édouard Emmanuel Blitz (1860-1915) ao ser admitido no Colégio Metropolitano de Genebra em 21 de fevereiro de 1899, o grave problema da segunda tentativa, posteriormente denominada “ressurgimento”, iniciada por Georges Bogé de Lagrèze (1882-1946), Robert Ambelain e Robert Amadou, em Paris, durante a Ocupação, em duas fases, em 1942 e 1943 – a Carta constitutiva desse chamado “ressurgimento”, datada de sexta-feira, 3 de setembro de 1943, baseava-se, para validar esse chamado “ressurgimento dos Cöen”, na condição de Lagrèze como C.B.C.S. e, principalmente, como Grande Professo, conforme demonstra seu diploma de Grão-Mestre dessa recriação – é que Georges Bogé de Lagrèze mentiu sobre suas qualificações, nunca tendo sido admitido em momento algum como Grande Professo em lugar algum, o que não impediu Robert Ambelain de forjar uma pseudo Profissão de sua própria invenção de “transmissão Lagrèze”, cuja legitimidade foi associada ao “ressurgimento” de 1943, e das linhagens, agora abundantes, das capelas e conventículos neo-Cöen, bem como dos pseudo-colegiados de pseudos “Grandes Professos” ligados a essa fonte, o que não passa de um embuste iniciático.

[10] Gérard van Rijnberk resume perfeitamente as causas do desaparecimento da Ordem dos Elus Cöen após 1781, causas que estudamos detalhadamente, resumidas de forma concisa neste trecho: “Após a morte de Martines em 1774, os estabelecimentos Cöen se desintegraram lentamente. As causas dessa decadência podem ser reduzidas a três. Primeiramente, é importante lembrar que, na morte do Soberano Grão-Mestre, a organização da Ordem estava longe de ser completa. Duas forças dissolventes entraram em ação. A primeira foi a atração exercida sobre as almas pela Estrita Observância germânica […]. Em segundo lugar, a ação de Saint-Martin […] Saint-Martin logo percebeu que esse modo totalmente externo de se relacionar com o Mundo do Espírito não o satisfazia; ele mudou, então, de método, abandonou o caminho daqueles que, com forte vontade, tentavam conquistar o céu, e embarcou na via mística, completamente interna, que parecia ser para ele um caminho de paz, doçura e abandono. Sem deixar de estar convencido da eficácia das práticas teúrgicas dos Cöen, ele aprendeu por experiência pessoal que a via mística oferecia uma certeza íntima incomparavelmente superior à dos sinais obtidos durante os Trabalhos da Ordem […].” (G. van Rijnberk, Um taumaturgo no século XVIII, Martinez de Pasqually, sua vida, sua obra, sua ordem, Alcan, 1935, pp. 89-91).

[11] Na sua 8ª sessão, em 5 de dezembro de 1778, o Convento das Gálias decidiu, por sugestão de Willermoz, denominar “Mestre Escocês” ao 4º grau, ou seja, ao antigo “Escocês Verde” da Estrita Observância, e integrá-lo nas Lojas da classe simbólica. Essa ideia partiu em 1777 do Barão de Lutzelbourg, Venerável Mestre de Estrasburgo, e foi aprovada em 28 de março de 1777 pelo Capítulo de Lyon, sendo ratificada em 25 de abril do mesmo ano pelo Diretório da 2ª Província (cf. Registro de deliberações do Grande Diretório, B. M. de Lyon, Ms 5481).

[12] As “Constituições de Anderson”, redigidas em 1717 pelo ministro presbiteriano James Anderson (1684-1739) com a ajuda de John Théophile Désaguliers (1683-1744), foram publicadas em 1723.

[13] É verdade que o culto primitivo nunca foi ensinado em termos diretos aos membros do Regime Retificado, pois Willermoz reservou seu conhecimento, não na prática, mas na teoria, exclusivamente aos Cavaleiros Professos e aos Grandes Professos. No entanto, os Irmãos do Regime serão colocados em um processo de Regeneração Espiritual de tal forma que cumprirão, sem sempre estar realmente conscientes disso, os princípios, regras, leis e cerimônias desse culto, levando-os a se envolverem, de forma lenta e harmoniosa, em uma Santa Obra de Regeneração Espiritual ao longo de toda a sua vida maçônica. Assim, o caráter fundamental do quaternário, o número do “Menor espiritual”, tomaria uma dimensão tão evidente com o Regime Retificado que se libertava do enquadramento da Maçonaria estruturada nos três graus de Aprendiz, Companheiro e Mestre, colocando o sistema de Willemita em uma atitude de originalidade repentina e, para alguns, chocante, de tal forma que concordaria com as convicções da doutrina Xen, que retomou neste ponto e fez sua por completo. Por isso, para reconstruir o Templo tripartido destruído e em ruínas, o “Menor” do poder quaternário deve, em quatro etapas, redescobrir os elementos do culto original baseado nos quatro sacrifícios, nas quatro orações diárias e nas quatro festas principais. Assim, compreende-se muito melhor por que Willermoz, que queria situar sua Ordem sob os auspícios do “verdadeiro culto” e do sacerdócio primitivo, construiu seu sistema maçônico em quatro graus em vez de três.

[14] Sobre o tema da “Alta e Santa Ordem”, ver: “O Regime Escocês Retificado e a Alta e Santa Ordem: o caráter não apócrifo da iniciação willermoziana”, em J.-M. Vivenza, Les Elus Coëns et le Régime Écossais Rectifié, Le Mercure Dauphinois, 2010, pp. 209-218.

[15] Lyon, Ms. 5526. Extrato datado de 21 de julho de 1777.

[16] Carta do Papa Inocêncio I a Decêncio de Gubbio (19 de março de 416), traduzida por R. Cabié, Biblioteca da Revista de História Eclesiástica, 58, 1973.

[17] São Basílio, De Spiritu, cap. 27. Os trechos são citados do livro de J. Grancolas (1660-1732), As antigas liturgias, ou a forma como a Santa Missa foi celebrada em cada século, nas Igrejas do Oriente e do Ocidente, com um estudo de todas as Práticas, Orações e Cerimônias observadas no Santo Sacrifício, Paris, 1697, e não de “J. Gramolas”, como erroneamente escreve A. Joly.

[18] A. Joly, Un mystique lyonnais et les secrets de la franc-maçonnerie: Jean-Baptiste Willermoz (1730-1824), Mâcon, Protat frères, 1938, p. 96. Alice Joly continua sobre este tema: “Os Coën se consideravam perfeitamente autorizados a buscar analogias entre a religião cristã e a de Pasqually, a explicar, corrigir e complementar uma com a outra. O ‘Livro de orações de seis em seis horas’, que se assemelha tanto às Pequenas Horas compostas para os devotos mais comuns, contém muitas transposições de orações, muitas fórmulas significativas desse estado de espírito.”

        Entre os papéis deixados por Jean-Baptiste Willermoz, encontra-se também uma curiosa instrução a seguir durante a elevação, que parece ter sido escrita de próprio punho por Saint-Martin. Combina intimamente o triângulo maçônico, o misticismo dos nomes divinos, a invocação do Deus quaternário, a apelação aos espíritos maiores com a devoção a Cristo, presente na hóstia consagrada. – Este estranho texto diz o seguinte: “No momento em que o sacerdote toma a hóstia para consagrá-la, ambas os joelhos são colocados no chão, o polegar da mão direita é colocado em ângulo reto com o coração, o lado oposto e a parte superior do estômago, formando um triângulo; faz-se uma quarta cruz sobre a boca, dizendo Kadoz três vezes. No momento da elevação, diz-se: ‘eu vos conjuro, anjos, querubins e serafins a interceder por mim perante o Criador todo-poderoso… Em qualquer dia em que eu vos invocar, prontamente me ouça através de Cristo, vosso Filho. Amém.’” Este ecletismo poderia parecer sacrílego, ou pelo menos surpreendente, se não demonstrasse antes de tudo a profunda convicção desses iniciados e seu esforço em combinar sua religião tradicional com sua nova fé (Ibid., p. 97).

[19] “Como Maçom Simbólico, você estudou sua estrutura e seu exterior; como Noviço, entrou no Pórtico; como Cavaleiro, acabou de ser admitido no Templo em si, e as portas do Santuário estão abertas para você.” (Cf. Instrução para a Recepção dos Irmãos Cavaleiros na O[rdem] B[enfeitora] dos Cavaleiros M\ da Cidade Santa, 1784, B. M. de Lyon, MS 5921). Além disso, deve-se acrescentar este trecho: “Não perca de vista que o erro do homem primitivo o precipitou do Santuário ao Pórtico e que o único objetivo da iniciação é fazê-lo retornar do Pórtico ao Santuário.” (Veja Instruções Secretas dos Cavaleiros Grandes Professos, coleção Georg Kloss, Biblioteca do Grande Oriente dos Países Baixos, Haia [1º catálogo, seção K, 1, 3]).

[20] A ideia extraordinariamente importante presente em São Basílio é que, a partir da experiência do Espírito conforme ocorre no caminho interior, o homem alcança o conhecimento em sua alma por graça sobrenatural. Mas a tese teológica de São Basílio, à qual Willermoz se refere, baseia-se essencialmente em uma compreensão extraordinária do que a experiência de Deus faz, afirmando que a “experiência” e o “conhecimento” de Deus coincidem tão estreitamente na alma que levam à semelhança com a natureza divina: “Nos é proposto nos assemelharmos a Deus (ομοιωθήναι Θεώ) tanto quanto possível para a natureza humana. Mas não há semelhança (ομοίωσις) sem conhecimento (γνώσεως).” (De Spiritu I, 2, 10-15 – cf. Sur le Saint-Esprit, coll. Sources chrétiennes, n.º 17bis, Éd. du Cerf, 1968). Para um desenvolvimento mais extenso da questão, veja: J.-M. Vivenza, L’Église et le sacerdoce selon Louis-Claude de Saint-Martin, La Pierre Philosophale, 2013.

[21] “A instrução religiosa mudou de forma, mas não de propósito. Ela se generalizou e gradualmente tomou uma forma para todos os homens na primeira geração. Os principais chefes de família eram seus guardiões e mestres; mas eles a corromperam e abusaram dela, e suas famílias seguiram seus passos e exemplos; foi preservada pura e intacta na única linha patriarcal direta abençoada na pessoa de Sem e sua posteridade; Enoque, o sétimo desta linha, que por sua classificação septenária foi um tipo especial da ação direta do Espírito Santo, fez esforços para restaurar o grande culto divino à sua pureza primitiva. Ele formou nove discípulos, dos quais ele era o ponto central, que deixou para trás para deter o fluxo e a inundação universal das paixões, dos vícios e do culto demoníaco que já estavam se impondo com progressos terríveis; e tendo completado a obra para a qual foi enviado e seu tipo particular, deixou a terra e desapareceu.” (J.-B. Willermoz, Instrução particular e secreta a meu filho, op. cit.).

[22] Quando se trata da celebração do “culto primitivo”, seu cerimonial obedece a regras muito precisas, como recorda Louis-Claude de Saint-Martin (1743-1803) em suas “Lições de Lyon”. (L.-C. de Saint-Martin, Lição nº 77, 4 de novembro de 1775).

[23] “O verdadeiro culto aconteceu nas 3 regiões da terra: 12 Patriarcas israelitas, 12 Patriarcas ismaelitas, 12 Apóstolos, com Cristo no centro”. (L.-C. de Saint-Martin & J.-J. du Roy d’Hauterive, Lição nº 54, 22 de julho de 1775, op. cit., p. 271).

[24] “[…] ‘A Ordem Substituída’ dispensa a parte científica da maçonaria primitiva, a ciência religiosa do homem que atravessa o mundo e que Deus ama, a reintegração do criado no nada e do emanado em sua fonte eterna…”. (R. Amadou, Prefácio à edição das Lições de Lyon para os Elus Coën, um curso de Martinismo do século XVIII, Dervy, 1999, p. 58).

[25] Cabe ressaltar que Jean-Baptiste Willermoz concebeu e moldou o Regime Escocês Retificado como uma “retificação” da Maçonaria escocesa, dotando seu sistema de uma estrutura muito mais inspirada nas regras e formas das Ordens militares da antiga Cavalaria medieval – como demonstra o “Código Geral de Regulamentos da Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa” (1778), única fonte de legitimidade da Reforma de Lyon -, do que nos pontos de vista das “Constituições de Anderson” publicadas em 1723, que eram fracamente religiosas, universalistas e, sobretudo, alheias à perspectiva martinesiana, completamente ignorantes dos elementos teóricos da doutrina da “Reintegração”, o que explica por que, desde os primeiros momentos de sua fundação no “Convento das Gálias”, o Regime Retificado adotou princípios profundamente diferentes dos do ambiente maçônico do século XVIII, e tem se mantido desde então em uma posição “separada”, como uma via iniciática específica e original.

[26] R. Amadou, Introdução às Lições de Lyon, op. cit., p. 139

[27] Cf. Biblioteca Municipal de Lyon, M.S. 5920.

[28] Carta de Martines de Pasqually a Jean-Baptiste Willermoz, 3 de agosto de 1774.